ID, EGO E SUPEREGO

Diferença entre Ego, Superego e Id

O Ego, o Superego e o Id são instâncias que formam a psique humana, de acordo com a Teoria da Personalidade, desenvolvida por Sigmund Freud em seus estudos sobre a Psicanálise.

O Id é o componente nato dos indivíduos, ou seja, as pessoas nascem com ele. Consiste nos desejos, vontades e pulsões primitivas, formado principalmente pelos instintos e desejos orgânicos pelo prazer. A partir do Id se desenvolvem as outras partes que compõem a personalidade humana: Ego e Superego.

O Ego surge a partir da interação do ser humano com a sua realidade, adequando os seus instintos primitivos (o Id) com o ambiente em que vive. O Ego é o mecanismo responsável pelo equilíbrio da psique, procurando regular os impulsos do Id, ao mesmo tempo que tenta satisfazê-los de modo menos imediatista e mais realista. Graças ao Ego a pessoa consegue manter a sanidade da sua personalidade. O Ego começa a se desenvolver já nos primeiros anos de vida do indivíduo.

O Superego se desenvolve a partir do Ego e consiste na representação dos ideais e valores morais e culturais do indivíduo. O Superego atua como um “conselheiro” para o Ego, alertando-o sobre o que é ou não moralmente aceito, de acordo com os princípios que foram absorvidos pela pessoa ao longo de sua vida.

De acordo com Freud, o Superego começa a se desenvolver a partir do quinto ano de vida, quando o contato com a sociedade começa a se intensificar (através da escola, por exemplo) e as relações sociais passam a ser melhor interpretadas pelas pessoas.

85b6-id-ego-e-superego

Em suma, esses três componentes da formação da personalidade – Id, Ego e Superego – são as representações da impulsividade, da racionalidade e da moralidade, respectivamente.


 

Mais sobre o tema…

São partes de compõem a psique humana, e que integram a chamada Teoria da Personalidade de Freud.
O Id é a parte responsável por todos os instintos, desejos e impulsos primitivos do indivíduo, que são classificados como os “princípios do prazer”.
O Ego, por outro lado, consiste na realidade da personalidade da pessoa, mantendo o equilíbrio entre as vontades do Id e as repressões do Superego.
O Superego também é conhecido como o “ideal do Ego” e, vale destacar, que os valores que o compõe não são natos dos indivíduos. Além de reprimir o Id, o Superego também tem o objetivo de conduzir o Ego ao mais próximo da perfeição do comportamento moral.

SIGNIFICADO DE ID

ID é a sigla para identity, palavra inglesa que significa “identidade” na tradução literal para a língua portuguesa. No contexto do mundo conectado às redes online, através da internet, o ID passa a se referir a identidade que cada usuário cria nos diversos dispositivos e aparelhos disponíveis no mercado.

Por exemplo, para utilizar alguns serviços de compartilhamento ou armazenamento de dados “nas nuvens”, o usuário deve efetuar um cadastro no provedor destes serviços para que lhe seja conferido uma identidade de acesso, ou seja, o seu ID. Especialmente nos Estados Unidos, o ID consiste no documento de identificação que os cidadãos carregam com eles, semelhante ao RG (Registro Geral) dos brasileiros, ou BI (Bilhete de Identidade) dos portugueses.

No ramo da psicanálise, o ID também é uma das três estruturas do aparelho psíquico, juntamente com o ego e o superego.

Id na Psicanálise

Nos estudos da psicanálise e psicologia, o Id é responsável pelos instintos, impulsos orgânicos e os desejos inconscientes. O id não tem contato com a realidade, pode se satisfazer na fantasia, mesmo que não realize uma ação concreta referente aquele desejo.

Os impulsos do id podem trazer a tona necessidades básicas do indivíduo e que foram reprimidas, por exemplo, o instinto sexual infantil, e que muitas vezes nem tem consciência deles de tão reprimidos que se encontram.

No id é armazenado tudo o que o indivíduo reprime, todas as suas necessidades que não foram satisfeitas. O id é chamado de o “princípio do prazer”.

Existem muitas formas de exteriorização dos instintos inconscientes, a mais comum é chamada de “ato falho”, que pode revelar os sonhos e os segredos mais íntimos do ser humano. Outro meio de tornar consciente o desejo é através dos sonhos, onde é revelado o que o indivíduo deseja, mas que seria discriminado pela sociedade.
O instinto sexual é o mais reprimido, uma vez que a religião e a moral da sociedade falam mais alto.

SIGNIFICADO DE EGO

Ego, a partir da interpretação filosófica, significa o “eu de cada um”, ou seja, o que caracteriza a personalidade de cada indivíduo.

O conceito de ego é bastante utilizado em estudos relacionados a psicanálise e filosofia. De acordo com a teoria psicanalítica, o ego faz parte da tríade do modelo psíquico, formado pelo ego, superego e Id.

O ego é considerado o “defensor da personalidade”, pois é responsável por impedir que os conteúdos inconscientes passem para o campo da consciência, acionando assim os seus mecanismos de defesa.

Uma das principais funções do ego é harmonizar os desejos do Id com a realidade do superego. Assim, o ego suprime as vontades inconscientes do ID com “medo” dos castigos que lhe serem direcionados.

O ego é responsável pela diferenciação que o indivíduo é capaz de realizar, entre seus próprios processos interiores e a realidade que se lhe apresenta.

Ego e a Teoria de Freud

O ego é fundamentado na teoria clássica de Sigmund Freud, que é um conjunto de hipóteses sobre o funcionamento do cérebro das pessoas. Para Freud, o ego baseia-se que todo evento psíquico é determinado por eventos anteriores, ou seja, não há acasos. O ego também se baseia na existência do inconsciente, que se manifesta de diferentes modos na vida mental.

SIGNIFICADO DO SUPEREGO

Superego é o aspecto moral da personalidade do indivíduo, de acordo com a Teoria da Psicanálise de Sigmund Freud. O superego é responsável por “domar” o Id, ou seja, reprimir os instintos primitivos com base nos valores morais e culturais.

Ao lado do Id e do Ego, o Superego compõe a chamada Teoria da Personalidade, desenvolvida por Freud no âmbito dos seus estudos sobre a psicanálise.

Como dito, o Superego age como parte da estrutura da personalidade cultural do indivíduo, representando a construção de todos os valores sociais que foram absorvidos pela pessoa ao longo da vida e que atuam como controladores dos instintos “animalescos”.

Todos os ideais internalizados e que formam o Superego são adquiridos através dos valores familiares particulares de cada indivíduo, assim como aqueles partilhados pela sociedade em que está inserido, por exemplo.

O Superego atua em todos os três níveis de consciência do ser humano: consciente, pré-consciente e inconsciente. Em alguns casos, quando ocorre o sentimento de culpa por algo que a pessoa não consegue entender o motivo, pode significar que houve a atuação do Superego no âmbito do inconsciente, tentando suprimir as vontades do Id.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s